Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Maio 2013

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031


Pesquisar

 


Hidra 13 - Anastácia em sarilhos

Sábado, 11.05.13

 

13ºCapítulo

Anastácia em sarilhos

 

 

 

Frank abanou a cabeça com um suspiro e agarrou na mão de Grace fazendo-a sair do bar onde estavam fazendo-a andar num passo apressado. – A tua mãe não te avisou para não saíres sozinha? – olhou para trás e viu os lábios de Grace começarem a ficar roxos – A sério Grace? Bebeste o que te deram?  - Grace não conseguiu ouvir nada, estava todo muito torto e às cores. Sorria que nem uma parvinha e encostou-se ao peito de Frank, abraçando-o.
-Tive saudades tuas sabias? – perguntou-lhe com um sorriso desengonçado até adormecer. Frank suspirou agarrando-a quando ela estava a cair e pegou nela  ao colo continuando a andar. Felizmente aquele sumo só funcionava apenas como droga e ela não tinha bebido tudo, só um gole, por isso ia ficar bem. – És mesmo uma casmurra – disse-lhe baixinho apesar da rapariga estar a dormir.
-Frank – olhou para trás quando ouviu Marge e virou-se para que ela visse a filha. Abrindo a boca, correu até ele segurando nela – O que é que aconteceu? – perguntou com a face pálida. Frank sempre vira em Marge uma boa mãe, tudo o que ela fazia por Grace era para a proteger e só ele até agora tinha visto como ela ficava quando lhe acontecia alguma coisa.
-É louca como tu e decidiu beber sumo daquele bar cheio de humanóides. Temos que desinfestar esta cidade rápido. Se eu não a tivesse seguido assim que a vi, ela podia estar morta. –
explicava Frank como se não fosse nada de anormal.
-Oh meu deus, ela não bebeu muito pois não? – perguntou passando as pontas dos dedos pelas bochechas pálidas da filha. Frank abanou na cabeça para a descansar e voltou a segurar em Grace.
-Eu levo-a para a Fazenda, não te preocupes – Marge abanou a cabeça durante algum tempo.
-Nem penses Frank, não quero que estejas perto dela outra vez, eu não me esqueço do que aconteceu convosco, eu só te pedi para te aproximares dela e tu foste logo enfiar-te na cama, não foi? Ela é minha filha – começou a elevar o tom de voz e Frank suspirou.
-Eu apaixonei-me – murmurou, fazendo Marge endireitar-se e olhar para a sua bebé.
-Tu sabes que não podes e eu sei que se tentares consegues seguir em frente mais rápido do que te apaixonaste– levantou o olhar para o rapaz – eu acho que ela gosta de outra pessoa – Frank mordeu a parte de dentro da bochecha cheio de ciúmes do que Marge tinha acabado de dizer, mas tentou mostrar-se despreocupado
-Se calhar tens razão – encolheu os ombros virando costas – mesmo assim, vou leva-la a casa. E assim fez, enquanto Marge foi encurralar o bar que tinham drogado a filha, Frank levou a mesma até à Fazenda, abrindo a porta. Até há cinco anos ele morava naquela casa mas foi forçado a ir para o Concelho quando o encontraram e descobriram as suas capacidades.
Kate veio até à sala e arregalou os olhos levando as mãos à boca correndo até eles os dois.
-Ela está bem, só vai acordar com uma grande dor de cabeça – sorriu-lhe indo coloca-la no sofá.
-Ela só nos arranja problemas – lamentou-se Kate indo dar um beijinho na bochecha de Frank. Ia perguntar-lhe como é que ele estava, mas nem teve tempo, Rafael desceu as escadas e assim que o viu, ficou logo em modo ataque e, também nesse preciso momento Anastácia entrou na sala, parando assim que viu Frank.
-Hey – disse ela meio atrapalhada – quem és tu? – perguntou aproximando-se de todos. Kate virou-se para Anastácia e apontou para a rua.
-Toda a gente sabe o que és, ou sais agora ou vou ter que tomar medidas drásticas – Kate era uma mulher muito boa e paciente, mas neste momento tinha uma expressão zangada e autoritária. Anastácia olhou para Rafael com os olhos muito abertos e com a boca entreaberta, como se estivesse espantada com o que estava a acontecer. – Vai. – quase que lhe gritou e, percebendo que já não havia hipóteses, cruzou os braços ao peito e apontou com o queixo para o suposto namorado.
-Não me vais defender? – perguntou-lhe, apesar dele estar mais interessado na presença de Frank, abanou a cabeça fazendo-a sorrir – Oh por favor Rafael, vais dizer-me que nunca te apercebeste do que eu era? – irritado com todas as suas forças, ele olhou-a.
-Tanto não me apercebi que estou capaz de te matar agora mesmo – disse entredentes. Ela deu uma gargalhada ainda com os braços cruzados.
-Matavas um dos teus? Ainda por cima tão próxima como já fui? – Rafael revirou os olhos, como se ela não soubesse que ele sempre tinha morto humanóides
-Eu vivo com os meus e tu nunca me foste próxima a sério – aproximou-se dela com uma expressão séria – queres morrer agora ou preferes que eu te cace? – perguntou-lhe com um sorriso torto. Rafael não podia negar, ele divertia-se com isto da caça. Ela cerrou o maxilar e afastou-se dele, trocando olhares com Frank, saindo irritada da fazenda.
-Finalmente – suspirou Kate, esgotada, mas ficou logo alerta assim que Rafael voltou a olhar para Frank.- O que é que se passa com vocês?
-Queres morder? –
Frank fez aquele sorriso que sempre lhe fazia e ele tentou, mas não conseguiu, atirando-se para cima do caçador e mandando-o ao chão, esteve mesmo para o morder e poder mata-lo, mas alguma da sua racionalidade permitiu que ele mudasse de ideias a tempo, esmurrando-lhe a cara até a deixar toda negra.
-Um dia eu vou-te matar – ameaçou-o. Kate, que estava desesperada a tentar afasta-los, agarrou num braço de Rafael, olhando-o com uma expressão zangada. – Eu sei, eu vou para o meu quarto – virou costas, olhando uma última vez para Grace.

Quando Grace acordou não conseguiu abrir logo os olhos, estavam pesados e a sua cabeça latejava, nem queria imaginar quando os abrisse. Suspirou agarrando-se à almofada, só depois percebendo que era demasiado quente para ser uma almofada e sorriu. – O que é que estás a fazer no meu quarto, Quint? – perguntou baixinho – Ainda por cima… – passou as mãos pelo seu tronco, sentindo a sua pele e os seus abdominais definidos – ainda por cima nu  - fez uma careta abrindo os olhos devagarinho. Quint riu-se dando-lhe uma festinha no cabelo loiro, tapando-lhe os olhos de novo.
-Ontem à noite não te queixaste – gozou, fazendo Grace abrir mesmo os olhos de vez, arregalando-os. Ele fez um sorriso trocista e ela suspirou de alívio, deixando a sua cabeça cair nas almofadas de novo, sentia-se cansada e ainda agora tinha acordado.
-Estúpido – queixou-se agarrando-se ao braço dele.
-Estou a brincar, não conseguia dormir por isso vem para aqui – ela voltou a abrir os olhos com um meio sorriso – e já consegui – continuou.
-Como é que estão? – perguntou lembrando-se de que tinha deixado Quint e Rafael a conversarem, ele encolheu os ombros.
-Bem, acho eu. –ela sorriu, dando-lhe um beijinho no ombro, para depois se afastar.
-Eu não vou embora – disse passando as mãos pelos seus cabelos despenteados – mas não vou ter nada com nenhum dos dois – ela tinha que admitir que se sentia bastante atraída por Rafael mas depois Quint e todo o seu amor eram tão… tão bons que ela também se derretia e ficava toda confusa. Por momentos, ele pareceu um pouco desiludido, mas depois assentiu com um sorriso verdadeiro no rosto
- Não faz mal, desde que sejas minha amiga – Grace sorriu beijando-lhe a bochecha e assentiu, saindo depois da cama indo até à janela.
-Meu deus, eu tenho que ter cuidado com quem me meto – passou as mãos pela cabeça que latejava e Quint riu-se enquanto assentia.
- Ainda bem que bebeste pouco daquilo, ouvi dizer que dá uma moca das más – ela riu-se apesar de não ter piada e abanou a cabeça.
-A Anastácia já nos veio chatear? – perguntou virando-se para Quint, vendo a sua expressão ficar gradualmente mais séria.
-O Rafael está decidido a ir procura-la e mata-la, ele deixou-a fugir para jogarem uma espécie de jogo – encolheu os ombros, até aqui não parecia nada mal, todos faziam alguma coisa daquele género, era divertido e uma forma de passar o tempo – o pior é que o que a Anastácia está a fazer não é só ela, deve haver mais, pelo menos mais um. 


não corrigida, pode ser que poste na quarta

beijinhos ✥


Obrigada pelos tópicos que deram no post anterior, vão dar jeito

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por Cate J. às 10:00

5 comentários

De francis marie a 11.05.2013 às 11:25

ADOREI *-------------*
Qué isso dela não ficar com nenhum dos dois? ô.ô Ela tem que ficar com o Rafael ouviste? R-A-F-A-E-L u.u

De Joanna a 11.05.2013 às 13:21

frank e marge moment que lindinhos
o quint é a coisa mais adoravel de sempre my god e o rafael é a coisa mais bad ass e sexy de sempre
mais um? ai deus mais um
de nada e posta quarta

De twilight_pr a 11.05.2013 às 13:47

ADOREI!
Este capítulo e era de esperar que ela ficasse com a cabeça a latejar :P
Enfim...
Eu quero a Anastasia bem longe! Se não mato-a eu! xD
Espero pelo novo capítulo ansiosamente.

De i. a 11.05.2013 às 18:17

o quêêê? ela não vai ficar com nenhum dos dois? não vai mesmo? a sérioooo? então e o rafael sexy mauzão? vai ficar sozinhinho? *abraça-se a ele*
se quiseres, eu posso sempre entrar na tua fic e ficar com ele e.e
coitadinho do frank, até fiquei com pena dele o.o
e do quint, mas esse eu fico sempre, mas também fico com pena do rafael *é confusa*
o rafael olhou para a grace antes de ir embora, ele gosta dela, vês? Vês? Eles têm de ficar juntossssssss, mas..mas..e o quint? OH CATE ASSIM NÃO DÁ .L.
QUERO MAAAAAAAAAAIS, EU GOSTO TANTO OMG OMG ^^

De Andrusca ღ a 19.05.2013 às 20:45

Cá para mim.. hmm.. o frank e a anastácia... hmm, devo estar enganada...

Comentar post




Comentários recentes

  • Helena Pinto

    Olá :)

  • Andrusca ღ

    omg será que é esta que eu vou conseguir seguir do...

  • i.

    devo dizer que com o frio que estou consigo imagin...

  • twilight_pr

    Gostei imenso! Aliás adorei!Devo dizer que fiquei ...

  • Joanna

    ahahahahhahahaAHAHAHHAAHHAHAHAHAHAHAH ele é tão se...



Posts mais comentados